Skip to content

Letra e Vídeo

Literatura musical

Eu estava à espera, este era o local marcado, no meio da floresta do Grande Urso, na nossa pequena clareira. As horas passaram e logo senti a sua presença, seu caminhar era gracioso, seus cabelos estavam soltos, ela não sorriu ao me ver, vi o quanto ela estava aflita, não parava de olhar para os lados. Pulei da árvore onde estava em sua direção, ela me lançou um olhar duro, o sorriso sumiu de meu rosto, eu já esperava pelo que ela iria dizer.

– O que lhe aflige minha querida? – perguntei me aproximando de seu corpo quente. Ela imediatamente me repeliu.

– Não posso mais ficar com você Julius, por favor, entenda.

– Entender o quê? As suas estúpidas leis?– cuspi. – Será que elas valem mais do que o nosso amor?

– É impossível haver algum relacionamento entre nós – gritou Ingrid aos choros – você não sabe do que o meu grupo é capaz.

– Eu não me importo! Eu arrisco tudo por você, não agüentaria ficar longe de você nem um dia! – falei no mesmo tom.

– Mas meu irmão é o alfa, ele comanda o grupo, ele me comanda, ele me quer longe de você, por favor, Julius, não arrisque a sua vida assim. – falou aflita, seus olhos brilhantes estavam cheios de lágrimas, o brilho da lua refletia em seus olhos.

– Não vê que você é o meu único sol, o sol que não me mata. – falei olhando fundo em seus olhos até me ver neles. Uma imagem pálida e turva. Toquei em seu rosto, ao nos abraçarmos, ambos trememos, eu com a temperatura quente dela e ela com o meu frio. Juntos nos equilibrávamos.

Ingrid olhou para o chão escondendo o choro que teimava vir, um som ao longe chamou a nossa atenção, o bando, a família de Ingrid estava a sua procura. Ingrid, percebendo o perigo em que me colocaria, me empurrou e correu para dentro da floresta, corri atrás, mas era tarde, nem com toda a minha velocidade eu pude impedir, a alma Lupina de Ingrid falou mais alto, ela tomou a forma de um lobo e se embrenhou ainda mais na floresta, eu poderia persegui-la mas eu bem sabia que o que falaria agora seriam apenas os seus instintos, não existiria mais uma comunicação entre a gente naquela noite.

Ouvi outros sons e percebendo o perigo subi com um salto na árvore mais alta, sabia que não poderia enganá-los, mas ficaria fora de suas visões por um tempo, no momento o maior interesse deles era Ingrid, um comando do alfa e ela, como lobo, obedeceria.

Eu não entendia ao certo como funcionava esse comando na cabeça dos lupinos, mas sabia que quando alguns deles desobedeciam, uma dor violenta invadia o seu corpo, por isso ninguém ousava desafiar o lobo alfa, a não ser que quisesse sofrer.

Vi a alcatéia correr lá embaixo, pegaram a mesma trilha de Ingrid, desci e fui atrás, eu não poderia deixar Ingrid correr algum perigo, sei bem que o nosso amor é impossível, mas as nossas almas clamam uma pela outra. O escuro tomou conta da floresta, meus olhos faiscaram a procura dela, uma dor me invadiu a garganta, a sede, tinha me esquecido dela, Ingrid faz isso comigo, ela aplaca a minha dor, a sede maldita.

Tive que me virar com o que podia, cacei um grande animal na floresta, um urso, ataquei-o ferozmente e dele tirei o líquido da vida.

Já restabelecido voltei a minha procura, eu queria ter certeza de que ela estava bem. Ouvi um choro e corri como nunca, era Ingrid com certeza, ela voltara a sua forma humana e provavelmente estaria desprotegida.

Cheguei numa pequena clareira e logo vi o que eu mais temia, Ingrid sendo segurada por mais dois lupinos na forma humana, ela estava machucada, eles a estavam julgando, num julgamento de vida ou morte, tudo por minha causa, por causa do relacionamento entre uma Lupina e um noturno. Começou a chover, os relâmpagos iluminavam o bando, alguns na forma humana, outros como lobos.

Lius, como o líder do grupo lhe deu um tapa fazendo Ingrid cair no chão, senti um fogo me queimar de dentro para fora, saí do meu esconderijo e coloquei toda a minha fúria em meu olhar, fazendo meus inimigos tremerem. Eles me atacaram, derrubei três dos sem nenhuma dificuldade, não os matei, eram da alcatéia de Ingrid, só não o fiz por ela. Eu odiava o lobos, só Ingrid tinha o meu coração. Esse ódio se dava pela condição de predador que ambos tínhamos, lupinos e vampiros são predadores, a diferença está apenas na alimentação, eles comiam a carne e nós o bebíamos o sangue.

Voltei o meu olhar para Lius que estava de posse de um punhal e com ele me atacou ferozmente, prata, a prata entrou na minha carne me fazendo arfar de dor, era a única coisa que realmente me machucava, além do sol e do fogo, mas eu também sabia que a prata também fazia mal aos lupinos, mas para eles era bem mais mortal. Retirei a adaga do ombro e estava prestes a usá-la também em Lius, mas o grito de Ingrid me impediu de fazê-lo, era o irmão dela, neste pequeno momento em que hesitei, levei outra facada pelas costas, essa não era prata, mas por pouco não entrou como uma estaca varando o meu corpo, isso me enfraqueceu ainda mais, o sangue saia rápido do meu corpo.

Vários Lupinos me seguraram me fazendo ajoelhar ao lado de Ingrid. Lius, tomado pelo ódio que sentia por mim, esqueceu-se da própria irmã, querendo a nossa morte.

Um grupo ainda maior se juntou nos cercando e Lius, num frenesi usando o seu comando de Alfa, nos julgou culpados, Ingrid por trair a alcatéia e eu por fazê-la mudar de lado, se bem que eu seria julgado culpado por qualquer coisa, eles me matariam de qualquer maneira, eu era o seu bode expiatório por todas as desgraças que aconteciam com eles.

A única escolha dada a alcatéia era a morte rápida ou a morte lenta. Para mim foi escolhida a segunda opção, gostei da idéia, eu poderia ter alguma chance numa luta corpo a corpo.

Lius pegou novamente o punhal de prata e riscou meus pulsos me fazendo sangrar, ele sabia que a prata não deixaria minhas feridas cicatrizarem rapidamente. Depois se virou para Ingrid e machucou seu pulso, eu vi aquilo totalmente atônito, a prata era sentença de morte se entrar em contato com o sangue de um lupino. Ingrid gritou como nunca, a dor devia ser muito forte, talvez mais forte que a minha.

– Veja vampiro – me chamou vulgarmente – você causou isso ao se aproximar dela, agora você vai ter duas opções, se entregar a nós numa caçada, ou ficar e vê-la morrer.

É claro que eu não iria fazer o jogo de Lius, mas ele me propôs algo que eu não poderia recusar. Ele olhou para Ingrid e tirou algo do bolso, parecia uma ampola. Ingrid olhava ansiosamente para aquela ampola, sua pele estava vermelha, seus olhos fundos, sua boca seca, ela estava sentindo os efeitos da intoxicação da prata em seu sangue lupino, logo percebi o que Lius iria propor.

– Minha irmã é a coisa mais preciosa para mim e você a roubou, como rouba as suas vítimas vampiro, você só não lhe suga o sangue por que os lupinos não agradam ao seu paladar, quero a minha irmã de volta, mas só posso tê-la se você deixar de existir. Prefiro ver Ingrid morrer a vê-la com você.

– Diga logo Lius o que você quer de mim? – perguntei impaciente vendo o sofrimento de Ingrid.

– Vejo o quanto você está fraco, perdeu muito sangue, quero que você seja a nossa caça, quero que corra enquanto o caçamos.

– E por que eu faria isso? Se Ingrid morrer eu não me importo de ficar aqui e também esperar a morte.

Lius grunhiu e puxou Ingrid do chão com violência.

– Você quer isso irmãzinha? – disse colocando a ampola perto do rosto já pálido de Ingrid. – peça ao seu maldito namorado vampiro! Ele tem a sua vida agora!

Ingrid me olhou – Julius… – disse ela com tristeza – pra depois gritar – Não faça o que ele pede! – em seguida cuspiu na cara do irmão que a jogou no chão, olhando-a com nojo.

– Como pôde se entregar a um noturno? Você está suja… mas vou te limpar – disse se voltando para mim. – Vê isso vampiro? Isso é a cura para a prata, se ela não colocar isso na veia logo, vai morrer. Consegue conviver com isso? Se ela morrer, nós não vamos matá-lo, só mutilá-lo talvez – sorriu cínico – só para ver com prazer você se lamentar pela eternidade.

Vi o jogo de Lius, ele não deixaria Ingrid morrer, lhe daria o antídoto, mas desde que eu concorde em ser caçado por ele e seu bando. Sorri, Ingrid iria sobreviver.

– Eu topo – lhe disse entre dentes – mas como saberei que você vai cumprir com a sua promessa?

– Você verá – disse ele aplicando o antídoto em Ingrid enquanto ela grunhia em desespero.

– Você cumpriu com a sua palavra, agora cumprirei com a minha. – disse me posicionando para que eles desamarrassem meus pulsos.

Lius se aproximou e novamente me cortou com a faca de prata, me dando mais dor. Levantei-me com um pouco de dificuldade enquanto Lius e os demais lupinos se afastavam, olhei para Ingrid, ela estava no chão, humilhada, fraca, não era essa a última imagem que eu queria levar comigo.

– Corra Vampiro, corra! – mandou Lius enquanto se preparava para me perseguir junto dos demais. Dei mais um último olhar para Ingrid e pude ler um “te amo” de seus lábios. Só pude sorrir em troca.

Comecei a caminhar para em seguida correr e corri o máximo que pude, eu queria o bando todo longe de Ingrid, eu sabia que ela jamais conseguiria ficar com eles se eu morresse, eu daria tempo para que ela pudesse fugir para sempre.

A floresta estava mais escura, eu não tinha mais forças para enxergá-la como antes, meus olhos estavam comuns, humanos, tentei despistá-los, mas desisti, a minha meta era tê-los ao meu encalço o mais tempo possível.

Vi o bando se separar, eles queriam me cercar, não dar opções de fuga, a minha morte era a meta deles. Como um bom predador eu sabia como eles pensavam, se bem que nunca fui bom em trabalhar em grupo, vampiros são solitários na caçada, pois correm o risco de machucar uns aos outros na hora em que os instintos estão aflorados. Instintos. Lembrei-me deles, um em especial eu tentava afastar, o de sobrevivência, o de fuga. Parei sem fôlego em frente a um pequeno riacho e vi uma enorme serpente, a ataquei, ela me serviu bem, apesar de seu sangue ser tão ruim, ajudou a me curar das feridas da prata. Dois animais que me saciaram numa noite, se eu saísse dessa, repensaria o meu modo de vida. Voltei-me as árvores e vi os olhares entre as folhas, os lobos se aproximavam, suas cores eram tantas, castanhos, ruivos, amarelos, eles tinham a pelagem da cor dos cabelos quando humanos. Com exceção de Lius e Ingrid.

Posicionei-me, eu não iria me entregar sem luta.

Os lobos vieram e um a um me atacaram, derrubei muitos deles. Um me mordeu me fazendo mordê-lo de volta. O sangue era pior que o da serpente. Cuspi enojado, o lobo mordido saiu grunhindo.

Lius veio. Ele era um dos maiores, seus pêlos cinzentos me lembravam os de Ingrid. Travei uma luta feroz com ele, a desvantagem era a minha companheira constante enquanto os outros lobos me mordiam, me atrapalhando na luta. Vi que o bando todo estava aqui, atrás de mim. A exaustão, tão rara em minha espécie, me dominava na forma de uma sede excruciante. Caí no chão, mas não antes de ter acabado com alguns deles.

Lius se aproximou e pude ver no olhar do lobo a vitória certa, ele se aproximou mostrando seus caninos brancos. Grunhi, o instinto de sobrevivência ainda gritava, mas a fraqueza o calou logo.

Depois de mais de cem anos como vampiro, eu finalmente iria saber se tenho ou não uma alma.

Quatro logos me seguravam com mordidas violentas, enquanto Lius se aproximava para dar-me o golpe final, ele mirava minha garganta, meu ponto fraco, me rendi à exaustão e parei de resistir. O restante do bando parou ao comando alfa de Lius, ele me queria só para ele, outro lobo cinzento ignorou a ordem, este vinha devagar, Lius não o viu de imediato, mas o bando deu o alarme. O lobo cinzento deixou cair algo perto de mim e saltou sobre Lius o mordendo na garganta, Lius começou a se debater com olhos incrédulos, o lobo era Ingrid e ela me trouxe o punhal.

Enquanto ela lutava com Lius, estranhei o restante do bando permanecer no lugar e lembrei-me do último comando alfa de Lius, talvez fosse por isso, ou talvez estivessem respeitando a luta entre os irmãos.

Peguei o punhal caído ao meu lado e esperei até que pudesse distinguir um do outro, acertei Lius bem no coração. O lobo soltou um grito feroz e logo caiu, os outros ao verem seu líder caído vieram na minha direção, mas logo se afastaram com um grunhido de Ingrid. Caí sentado ao ver que tudo havia terminado, Ingrid pesarosa foi até o corpo do irmão. O lobo continuava intacto, mas seu corpo estava frio. Ingrid fraquejou e também caiu, a sua forma de lobo deu lugar à aparência humana, ela estava chorando. A chuva estava passando e o céu nublado deu lugar a um final de madrugada com céu límpido.

– Vou morrer – ela me disse pesarosa – não tenho mais tempo, aquele antídoto era uma cura falsa, posso sentir a prata tomar conta do meu coração. – disse me abraçando – tanto esforço para nada.

– Como nada? E o nosso amor, ele não conta? – perguntei soluçando, sentindo a falta das lágrimas que secaram com a eternidade.

– Claro que conta, mas lamento não poder mais estar com você. – disse num fio de voz

– Então vou com você – falei decidido enquanto nos abraçávamos sentados ali no chão. – não quero uma eternidade sem você. – olhei para o céu já vendo o sol se aproximar, me entregaria aos seus raios em poucas horas. Ingrid me entendeu, encostou-se a mim e olhou para o céu, esperaríamos pela morte juntos. Finalmente eu saberia se teria uma alma ou não.

Beijei Ingrid como nunca havia beijado, sem cuidados, sem medo de machucá-la, senti o gosto do seu sangue em minha boca e logo recuei, a prata estava na sua corrente sanguínea e se espalhando ainda mais.

Senti um calafrio, logo o sol apareceria, eu lutava com todas as minhas forças para ficar e esperar pelo brilho que acabaria coma minha existência, Ingrid dormia, sua respiração estava fraca, logo ela morreria. Olhei para ela, tão frágil, naquela hora ela era tão humana, longe de qualquer traço de um lupino, olhei-a bem e pensei, por que não tentar?

Acordei-a com cuidado e propus o meu plano que foi aceito de imediato, afinal não tínhamos nada a perder, a não ser a nossa existência.

Curvei-me sobre o corpo inerte do lobo morto, Ingrid fechou os olhos, não queria ver corpo do seu irmão. Suguei o sangue com sofreguidão, engolindo cada gole com dificuldade, sem prazer, sem necessidade, apenas urgência. Depois de saciado, dei mais um beijo em Ingrid, ela se entregou inteiramente e logo estava à beira da morte de tão enfraquecida. Dei-lhe o meu sangue, mas muito pouco, ela o aceitou e bebeu fazendo uma careta, logo pequenos espasmos tomaram conta de seu corpo e ela se contorceu de dor, seu suor estava brilhante, a prata estava saindo de seu corpo, os espasmos continuaram, tive que carregá-la a uma caverna próxima, o sol logo apareceria.

Ingrid se transformou em lobo para lidar melhor com a dor, mas algo deu errado, depois de algumas horas ela ainda era um lobo, fiquei assustado e ela também. Talvez o meu sangue tenha mexido com o dom lupino dela, pensei preocupado. Em seu desespero ela saiu da caverna, o sol estava alto lá fora, eu não podia ir atrás dela. Da caverna vi que o sol não a afetava. Tudo que poderia fazer era esperar, logo adormeci sob o poder do dia.

Anoiteceu. Abri meus olhos. E lá estava ela, linda e na forma humana. Sorri ao vê-la, ela me abraçou, seu cheiro estava diferente, não mais atiçava a minha sede de sangue.

– Não entendo o que aconteceu – olhou em meus olhos – acho que agora sou como você, mas não sou inteiramente. – me disse confusa.

– Por que diz isso? – perguntei curioso.

– Posso andar de dia, mas só como lobo. Não consigo mudar de forma no sol – me explicou.

– Só sua parte humana morreu para o dia – lhe disse com cautela – o lobo ainda está vivo, você ainda é uma lupina.

– E, como lupina, preciso caçar – me disse sorrindo e se transformando novamente em lobo.

Andamos juntos pela floresta e caçamos, com a certeza de que ficaríamos juntos eternamente. Encontramos um grande alce, eu fiquei com o sangue e ela com a carne.

Anúncios

Tags:, ,

%d blogueiros gostam disto: